Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
PORTO/POST/DOC 2019 - LANDSCAPE OF FORBIDDEN MEMORY + JONAS MEKAS

PORTO/POST/DOC 2019 - LANDSCAPE OF FORBIDDEN MEMORY + JONAS MEKAS

Teatro & Arte | Cinema

Teatro Municipal Rivoli

Pequeno Auditório
Classificação Etária
Maiores de 12 anos
Bilhete Pago
A partir dos 3 anos
2019
nov
25
Realizado

Duração

105 minutos

Produtor

Port Post Doc Festival Cinema - associação cultural

Breve Introdução

PORTO/POST/DOC 2019 - LANDSCAPE OF FORBIDDEN MEMORY + JONAS MEKAS
TEATRO MUNICIPAL RIVOLI PEQUENO AUDITÓRIO
2019.11.25 - 18:30

Landscape of Forbidden Memory + Jonas Mekas
Vários Realizadores, 105
Audrius Stonys

Sessão Especial programada por Audrius Stonys

The Old Man and the Land
Robertas Verba, 1965, Lituânia, 18
Este filme marca a estreia na realização de Robertas Verba. Como afirma o crítico de cinema ivil Pipinyt, este filme foi o quebra-gelo que estilhaçou o gelo da ideologia soviética para formar o estilo peculiar do documentário lituano. O herói do filme é o brilhante camponês lituano Anupras, cuja visão arcaica do mundo se torna um símbolo da identidade etno-cultural lituana que muitas vezes se opunha à identidade construída pela propaganda soviética.
+
A Trip Across Misty Meadow
Henrikas ableviius, 1973, Lituânia, 11
Considerado frequentemente uma expressão dos arquétipos da identidade lituana, este filme prossegue a tradição do documentário poético. Retrata o desmantelamento da antiga ferrovia Siaurukas, da Lituânia, e a construção do moderna infra-estrutura substituta. A ferrovia antiga e a sua contraparte moderna tornam-se símbolo do conflito entre a ruralidade arcaica da Lituânia e a industrialização soviética.
+
No Foe Can Scare Us
Edmundas Zubaviius, 1978, Lituânia, 11
No folhetim do realizador Zubaviius, observa-se a realidade absurda; desenrola-se em torno da prática de reacção a um ataque nuclear simulado por parte de "um inimigo atrás da fronteira". As personagens do filme são os habitantes de uma pequena vila na Samogitia. Participam em exercícios de protecção civil e preparam-se para uma competição de defesa civil. No entanto, embora esteja iminente uma nova guerra e os exercícios de protecção civil sejam organizados regularmente, aparentemente já ninguém leva o risco a sério há muito tempo.
+
The Dreams of Centenarians
Robertas Verba, 1969, Lituânia, 20
Criado para comemorar o centenário de Lenine, o documentário está, no entanto, longe de celebrar a ideologia soviética. Neste filme, as pessoas, quase todas centenárias, falam sobre as suas vidas pessoais e sobre as lembranças, desvelando as tradições e o passado da Lituânia. O filme capta a sensação do tempo que passa e aborda problemáticas da existência humana.
+
Sensitivity as Bread
Edmundas Zubaviius, 1979, Lituânia, 10
Um dos primeiros filmes do realizador de documentários altamente prolífico, Edmundas Zubaviius, retrata uma clínica veterinária em Kaunas. A observação da rotina diária daquele espaço revela a saudade da simpatia humana, como se se ansiasse por uma oração. A relação bastante sofisticada entre a imagem e o som é superada pelas junções da linguagem poética do filme e de cenas realistas, convidando à contemplação da relação entre natureza e homem.
+
Zefiro Torna or Scenes from the Life of George Maciunas
Jonas Mekas, 1992, EUA, 35
Resultado de filmagens rodadas entre 1952 e 1978 pelo artista lituano George Maciunas, este filme compõe imagens dos seus pais, de muitos eventos da Fluxus (Maciunas foi um dos fundadores desse movimento artístico) e de cenas da sua vida privada e do círculo de amigos. Yoko Ono, John Lennon, Andy Warhol, Joe Jones, Almus Salcius, entre outros, são algumas das figuras presentes nessas filmagens. No plano sonoro, Jonas Mekas dá literalmente voz aos diários guardados durante o último ano de vida de Maciunas e o filme termina com Zefiro Torna, um madrigal de Monteverdi, o compositor preferido de Maciunas

Pontos de Referência

Praça D. João I

-
Partilhar