Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
KALE - PARTAGER - FESTIVAL DDD - ARMAZÉM 22

KALE - PARTAGER - FESTIVAL DDD - ARMAZÉM 22

Teatro & Arte | Dança

Festival DDD

Outros Espaços
Classificação Etária
Maiores de 12 anos
Bilhete Pago
A partir dos 3 anos
2018
mai
08
a
2018
mai
09
Realizado

Duração

60 minutos

Produtor

Kale Companhia de Dança

Breve Introdução

TER 8 MAI 22H00
QUA 9 MAI 19H00
ARMAZÉM 22 - GAIA

KALE COMPANHIA DE DANÇA

ENDLESS, GILLES BARRON (FR)
À TRANSPARÊNCIA SE VÊ O VERSO, PAULA MORENO (PT)
EU SOU O PASSAGEIRO, OLTAZ DE ANDRÉS (ES)

Coreografia Gilles Baron Interpretação Ana Semeão, Dinis Santos, Joana Couto, Michael de Haan, Leonor Barbosa Luz Joaquim Madaíl

Coreografia Paula Moreno Interpretação Ana Isabel Castro, Dinis Santos, Michael de Haan Música Albrecht Loops Figurinos Patrícia Costa Luz Joaquim Madaíl

Coreografia Olatz de Andrés Interpretação Ana Isabel Castro, Ana Semeão, Beatriz Valentim, Michael de Haan, Beatriz Baptista, Leonor Barbosa Luz Joaquim Madaíl

No âmbito do projeto de cooperação coreográfica transfronteiriço Regards CroisésBegirada
GurutzatuakMiradas Cruzadas.

Duração aprox 1H00
Classificação etária M/12
5 EUR


Três coreógrafos partilham as noções de grupo, de transparência e de viagem.
A Kale cria um espetáculo em formato triple-bill num verdadeiro encontro transfronteiriço de partilha de linguagens e processos de criação levado a cena no mesmo palco com os bailarinos da companhia. Gilles Baron, de França, apresenta Endless, um trabalho que retoma a noção primitiva de grupo. Paula Moreno, de Portugal, apresenta À transparência se vê o verso, uma peça para três intérpretes que quer chegar à transparência sem eliminar as opacidades que o real implica. Por fim, a coreógrafa espanhola Olatz de Andrés desenvolve em Eu sou o passageiro um organismo composto por um conjunto de corpos e em viagem.

Partilhar
ASSINATURA 7
Colecção de Postais do Museu Romântico

Serviços Adicionais